Pistoleiros ameaçam trabalhadores rurais em acampamento no Pará

Barracas e roças foram queimadas, o que aumenta o clima de tensão entre as famílias do acampamento Hugo Chávez

Acintoso: PMs acusados de participar em chacina adoecem todos de uma vez só

  Do Diário do Pará Todos os 11 policiais militares acusados de ter participado da chacina que deixou 10 trabalhadores rurais mortos em Pau d’Arco, no dia 24 de maio deste ano, solicitaram ao comando da Polícia Militar (PM) licença para tratamento de saúde poucos dias após o massacre. E o mais interessante: os pedidos foram concedidos, com...

Chacina no Pará: depoimentos indicam que polícia agia em associação com fazendeiros

Testemunha diz que pecuarista já teria pago a policiais para retirar sem-terras de outra de suas propriedades. Evidências indicam que polícia agia lado a lado com seguranças privados.

Delação de policiais reforça indícios de execução durante chacina de Pau D’Arco, diz MP

Vítimas foram cercadas e perseguidas pela mata fechada, segundo o relato de policiais civis que participaram da ação. Para promotores de justiça, informações reforçam a tese de que não houve confronto.

PAU D’ARCO: Justiça decreta prisão de 13 policiais que participaram da operação na fazenda Santa Lúcia

  Enquanto se discutia a possível delação premida feita pelo comandante da Polícia Militar e do delegado que participou da operação na fazenda Santa Lúcia, em Pau D’Arco no dia 19 de maio, na manhã desta segunda-feira (10), o juiz da Vara Criminal de Redenção, Haroldo Silva da Fonseca decretou a prisão temporária de 13 policiais que...

Nota Pública: Violência Do Latifúndio E Omissão Do Estado Fazem Nova Vítima Em Pau D’Arco

É  urgente que o governo federal e o do Pará adotem medidas efetivas para garantir a vida e a integridade das trabalhadoras e trabalhadores rurais acampados da Fazenda Santa Lúcia, bem como garanta uma investigação isenta e rigorosa da chacina dos 10 de Pau D`Arco e a de Roseildo, ocorrida na noite de ontem, 7 de julho de 2017.

Comitê Brasileiro de Defensoras e Defensores de Direitos Humanos com todas as organizações que o compõe

Líder de acampamento sem-terra onde ocorreu chacina é assassinado no Pará

Rosenildo Pereira de Almeida havia deixado acampamento para fugir de ameaças após a chacina de maio, segundo ONG



INSTITUTO PAULO FONTELES DE DIREITOS HUMANOS

CartazO Instituto Paulo Fonteles de Direitos Humanos é uma entidade da sociedade civil, sem fins lucrativos, democrática, ecumênica, apartidária e politizada que atua na promoção e defesa dos direitos humanos observando sua universalidade, interdependência e indivisibilidade nas condições da Amazônia paraense, região marcada por conflitos históricos gerados pela forte penetração econômica de grupos nacionais e estrangeiros que, nos últimos 50 anos, foi o principal gerador do caos fundiário, grilagem das terras, crimes de pistolagem, desmatamento, genocídio indígena, pilhagem das riquezas, trabalho escravo, impunidade, fome e miséria.

O Instituto Paulo Fonteles de Direitos Humanos atuará no sentido de estimular a organização do povo, sua consciência crítica, na perspectiva da compreensão de sua condição de oprimido e buscando caminhos para conquistar ou fazer valer direitos inalienáveis, como a saúde, a segurança, a cultura, a educação, o direito à memória, a verdade, a justiça e à vida plena. Sua plataforma consiste na luta por uma sociedade justa, livre, igualitária, culta e sem classes.

A luta de Paulo Fonteles é fonte de inspiração para as novas e futuras gerações, que no limiar do século 21 ainda enfrentam os mesmos problemas. A sociedade, passados quase 30 anos de seu martírio, é muito desigual. Conhecer a vida de combates de Paulo Fonteles pela democracia, pela reforma agrária, pela independência nacional, pelos direitos humanos, fortalece, na sociedade,  a perspectiva de dias melhores.



AGENDA



SOBRE PAULO FONTELES

A trajetória daquele que seria uma das mais contundentes vozes da luta contra o latifúndio e em defesa das liberdades púbicas teve inicio quando o Brasil estava encarcerado pela quartelada de 31 de Março de 1964, que submeteu o país aos terríveis anos da Ditadura Militar, marcada pelas torturas e assassinatos, além da submissão aos interesses externos, notadamente estadunidenses.

O jovem Paulo Fonteles, oitavo filho do marítimo Benedito Lima e de Cordolina Fonteles – uma dona-de-casa que se tornou símbolo da luta conta a impunidade depois de seu assassinato, em 1987 – tomou parte nas manifestações que eclodiram pelo país quando do assassinato do estudante paraense Edson Luís, morto pela repressão política no restaurante Calabouço, no Rio de Janeiro. Naqueles dias a juventude brasileira ganhou pessoa e postura.

Seus relatos daquele período, pela força da sua poesia, revelam a permanente luta pela vida na forma da denúncia da bestialidade dos torturadores que alcunhava como “cães que cavalgam soltos”. Ali, no famigerado Pelotão de Investigações Criminais (PIC) e depois na Barão de Mesquita, no Rio de Janeiro, um dos maiores centros de tortura do país onde os bárbaros foram adestrados  por  víboras  que  insistiam  em afirmar que os métodos da Gestapo estavam ultrapassados e que era necessário reinventar a Santa Inquisição. Naquelas duras condições, ao saberem da resistência armada da Guerrilha do Araguaia, no Sul do Pará, tanto Paulo quanto Hecilda ingressam nas fileiras do Partido Comunista do Brasil.

Paulo Fonteles é eleito o primeiro presidente da Sociedade Paraense de Defesa dos Direitos Humanos (SDDH) e nesse ambiente, em 1978, se coloca à disposição da Comissão Pastoral da Terra (CPT) para advogar para os camponeses do Sul do Pará.

Sua atuação, como advogado da oposição sindical nas contendas contra o pelego Bertoldo Siqueira, na luta para retomar para as mãos dos lavradores o Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Conceição do Araguaia vai destilar o ódio em famigerados, como o Major Curió e o Ministro Jarbas Passarinho. Muitos dos instrumentos e quadros da repressão atuaram para derrotar a oposição e até a Rádio Nacional de Brasília fazia campanha para os caudatários do militarismo.

Em 1982 é eleito Deputado Estadual sob a consigna de “Terra, Trabalho e Independência Nacional” e no curso de sua atuação parlamentar é constantemente ameaçado e por diversas vezes denuncia da tribuna da Assembleia Legislativa do Pará as macabras listas de marcados para morrer onde figurava.

Em 1985, um Coronel do Exército e latifundiário, Eddie Castor da Nóbrega anuncia num dos principais jornais paraenses que iria atentar contra a vida do então Deputado. Fonteles no mesmo jornal responde que “se um coronel tem a ousadia de ameaçar de morte um Deputado abertamente, o que este senhor não faz com os trabalhadores rurais de sua fazenda”, concluiu.

Em 11 de Junho de 1987 todas as ameaças se confirmam e no final da manhã daquele dia é assassinado a mando da União Democrática Ruralista (UDR) na região metropolitana de Belém. A ação que atentou contra a vida de Paulo Fonteles ocorreu no mesmo momento em que se votava, no âmbito da constituinte, o Capítulo da Terra.

  • BREVE TRAJETÓRIA DA VIDA DE PAULO CÉSAR FONTELES DE LIMA

Até hoje os mandantes do assassinato de Paulo Fonteles não foram levados a julgamento e, como centenas de casos da pistolagem perpetradas pelo latifúndio seu crime permanece impune o que revela o caráter do judiciário paraense e brasileiro.



REDE TVT – SEU JORNAL

Aqui você pode assistir os jornais diários produzidos pela TV dos Trabalhadores.



Paulo Emmanuel

Paulo Emmanuel

Paulo Emnmanuel

Paulo Emmanuel

Paulo Emmanuel


CONVERSA VIVA



NOTÍCIAS ANTERIORES

para os demais posts visite o BLOG.

Norte e Nordeste concentram 90% das mortes de ativistas de direitos humanos em 2016

Rondônia, Pará e Maranhão concentram 90% dos assassinatos de defensores e defensoras de direitos humanos no Brasil ocorridos em 2016. A informação é do dossiê “Vidas em Lutas: criminalização e violência contra defensoras e defensores de direitos humanos no Brasil”, lançado nesta terça-feira (4) em Marabá, no sudeste do Pará, na Universidade Federal Sul e Sudeste do Pará (UNIFESSPA).

Meu irmão, rouco, canta a liberdade que virá.

  Para Ronaldo Fonteles Por Paulo Fonteles Filho. Nesses dias frios, onde a pele das palavras compreende o mundo, como na filosofia, sigo com o coração em Cervantes. Este exílio forçado pela mão abjeta do verdugo não permite que meus passos sejam vacilantes e,...

Carta de Paulo Fonteles para sua mãe

Neste domingo (11), completa-se 30 anos do covarde assassinato do ex-deputado e advogado de posseiros paraense Paulo Fonteles. Na série de homenagens, o Portal Vermelho publica uma carta que ele escreveu para sua mãe Cordolina Fonteles (Dona Nita), após a legalização da União Nacional dos Estudantes (UNE) em 1985. Na carta, ele narra seu amor e sua luta na UNE, misturando a intimidade de seu lar. Leia a íntegra.

Paulo Fonteles, 30 anos depois continua presente

  Na data em que se completam 30 anos do assassinato brutal do militante comunista e advogado de trabalhadores Paulo Fonteles, o Portal Vermelho dedica-lhe uma homenagem especial com depoimentos e relatos de familiares, amigos e camaradas que conviveram com ele...

Parceiros

Sites Relacionados

Redes Sociais

Coleções de Fotos

  • 1ª Caravana de Familiares de Mortos e Desaparecidos no Araguaia

.

.