Escolha uma Página

.

O Instituto Paulo Fonteles de Direitos Humanos republica matéria da Agência de Notícias Jovens Comunicadores da Amazônia.

Por Vanessa Alves*

O homicídio é a principal causa de mortes de jovens no Brasil, de acordo com os dados levantados pela base brasileira da Anistia Internacional, 56 mil pessoas foram assassinadas no Brasil em 2012, destas 30 mil eram jovens e, entre eles, 77% eram negros.

Esses dados são o reflexo da cultura de violência que vivemos em nosso cotidiano. O desejo de vingança de alguns membros da sociedade explica a existência e o apoio a grupos de extermínio. Além disso, a certeza da impunidade faz com que essa realidade ganhe, cada vez, mais força.

Em contrapartida, grupos e movimentos da sociedade civil organizada vêm se articulando contra o genocídio de jovens negros. Diversas mobilizações como: Atos, palestras, seminários, rodas de conversas, entre outros, tem sido realizadas com o intuito de conscientizar e sensibilizar a população, que em alguns casos não se enxergam como negros e/ou não admitem a existência de grupos que estão exterminando nossos jovens.

É com esse desejo de luta e combate a essas práticas que a Agência de Notícias Jovens Comunicadores da Amazônia realizará neste sábado (11), às 10h, na sede do Centro de Estudos e Defesa do Negro no Pará – CEDENPA, um Ato Contra o Extermínio da juventude Negra, no bairro da Cremação na periferia de Belém. O evento contará com a presença de integrantes da Tem Que Ser Sagaz Crew, Moraes MC, Grupo R3, Mana Josy MC, Grupo de Hip Hop, entre outras atrações.

Sobre a Agência de Notícias

Agência de Notícias Jovens Comunicadores da Amazônia, é projeto realizado pelo Instituto Universidade Popular – UNIPOP, em parceria com o Fundo Brasil de Direitos Humanos, e parceira local com o Coletivo Tela Firme, Rede de Jovens Mais Pará e Centro de Estudos e Defesa do Negro no Pará – CEDENPA. O mesmo tem por objetivo a constituição de um espaço de mobilização contra extermínio de jovens negros e de visibilidade de práticas positivas desenvolvidas por coletivos, grupos, organizações sociais, entre outros nas periferias de Belém.

*Jovem articuladora da agência e integrante do Coletivo Tela Firme

Fonte: https://agenciajca.blogspot.com.br/2017/02/ato-mobiliza-comunidade-contra-o.html