Escolha uma Página

 

Militantes acompanharão depoimento do ex-presidente em frente à Justiça Federal do Paraná

Lia Bianchini

Há 221 dias, manifestantes mantêm a Vigília Lula Livre em frente à Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba, denunciando a prisão política do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Nesta quarta-feira (14), pela primeira vez desde o dia 7 de abril, a militância da Vigília poderá ver o ex-presidente, que sairá do prédio da PF para prestar depoimento à Justiça Federal.

Vinda de Belo Horizonte, Minas Gerais, a socióloga aposentada Isa Godoy é uma das manifestantes que frequentam a Vigília. Na tarde desta terça (13), ela preparava cartazes com os dizeres “Lula Inocente” e “Lula Livre”, para aguardar o momento em que Lula sairá da PF. Godoy espera que o ex-presidente tenha a oportunidade de ver o povo presente na Vigília e “sentir mais de perto ainda que estamos todos com ele”.

“Todos sabemos que Lula foi condenado e encarcerado injustamente para que ele não pudesse ser candidato a presidente da República. Porque, do contrário, ele seria o nosso candidato e seria eleito mais uma vez. As forças da direita, as forças fascistas, as forças poderosas financeiras fizeram de tudo para que ele ficasse encarcerado e perdesse a voz”, diz Godoy.

O depoimento de Lula é referente à investigação sobre pagamento de obras para reforma em um sítio na cidade de Atibaia (SP) e está marcado para iniciar às 14h. Movimentos sociais e o Partido dos Trabalhadores estão convocando a militância para concentração em frente ao prédio da Justiça Federal, a partir das 12h.

Segundo Roberto Baggio, coordenador do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) do Paraná, o depoimento de Lula marcará um momento importante de diálogo com o povo. O MST é um dos movimentos que convocou a militância para acompanhar o depoimento. Caravanas da região metropolitana de Curitiba e do interior do Paraná chegarão de manhã para se juntar à concentração em solidariedade a Lula.

“Depois de sete meses de Lula sequestrado e proibido de falar, no depoimento ele vai ter a oportunidade de conversar com a população brasileira, reafirmando a sua inocência, a perseguição política a que ele está submetido e isso tudo vai potencializar as articulações e a luta pela sua liberdade. Vai dar amplitude e visibilidade ao nível de injustiça e de perseguição ao qual ele está submetido”, afirma Baggio.

O artista independente Diogo Almeida, conhecido como Zero, será um dos manifestantes em frente à Justiça Federal do Paraná. Também vindo de Belo Horizonte, ele vende histórias em quadrinhos na Vigília Lula Livre. Em uma de suas histórias, Lula é “Dom Lula, o cavaleiro da esperança”, um cavaleiro medieval que chega ao trono do “reino brasileiro” apoiado pelo povo. A realidade do país, segundo Zero, é a repetição da “era das trevas”, que já deveria ter sido ultrapassada.

“Na inquisição queimavam bruxas, queimavam hereges e qualquer pessoa que fosse suspeita. Mas o tribunal era super suspeito também. O mesmo que julgava, condenava, investigava e a sentença praticamente estava pronta desde o início do processo. O tribunal de inquisição é bem isso que estamos vivendo. Como uma história que já deveria estar enterrada se repete desse jeito? Eu acho que a justiça deveria evoluir”, diz.

Os manifestantes da Vigília Lula Livre devem acompanhar a saída do ex-presidente em frente à PF, durante a manhã, e depois seguir para a Justiça Federal, onde acompanharão o depoimento de Lula junto aos demais militantes lá presentes.

Edição: Diego Sartorato

FONTE: https://www.brasildefato.com.br/2018/11/14/movimentos-populares-convocam-militancia-para-solidariedade-a-lula/